O sistema parou: e agora?

Um sistema de informação ou aplicativo se dá com diferentes camadas de hardware, rede local, rede remota, sistemas operacionais e aplicações que, geralmente, são de responsabilidade de diferentes fornecedores. Isso impõe o dilema – o sistema parou. E agora?

Lidamos diariamente com serviços e aplicações que param de funcionar e deixam os usuários na mão. Isso é inevitável. Porém, mais importante do que reduzir a ocorrência desses acontecimentos é acabar com o jogo de empurra/empurra.

Quantas vezes ouvimos a frase: “a minha parte está OK, o problema deve estar do outro lado”? O usuário liga para o service desk para informar que não está conseguindo usar o sistema e recebe como resposta que o servidor de front end está funcionando e, portanto, o problema deve ser no banco de dados. Então, o analista de banco de dados verifica que o banco está funcionando e diz que a questão deve ser na WAN, rede de longa distância. E por aí vai.

Por que o sistema parou?

É preciso identificar, desde o começo, o foco do problema para que os reais responsáveis possam atuar. A demora pela resposta de um serviço pode acarretar perdas significativas às empresas. Imagine um sistema de banco com as aplicações paradas ou uma companhia área que demora para responder sobre uma compra a um cliente.

O desafio não é simples. As aplicações estão cada vez mais complexas, com diversas integrações e componentes on-premises e na nuvem. Isso quer dizer que, nos sistemas financeiros, por exemplo, quase todas as transações são feitas de maneira online – das validações dos pagamentos à checagem do histórico do cliente.

Muitas vezes o sistema parou e não se sabe em qual equipamento ou  localidade ocorreu a falha.

Assim, quando a transação de um usuário não funciona, é muito difícil apontar com exatidão o que deu errado e onde os esforços devem ser despendidos. Sem saber exatamente em que focar, todas as áreas são envolvidas – muitas delas sem motivo.

APM

Na correção desse problema, ganha força o conceito de APM (Application Performance Management, ou gerenciamento de desempenho de aplicação). Com a ferramenta, é possível:

  • Desenvolver um mapa visual das aplicações, incluindo todos os componentes e integrações;
  • Criar um padrão de performance das aplicações, apontando quando e qual componente ou integração passou a responder mal;
  • Permitir acesso rápido aos logs do componente problemático;
  • Possibilitar a automatização de tarefas, executando atividades que possam tratar incidentes sem intervenção humana;
  • Gerar painéis que apontem a experiência dos usuários;
  • Elaborar indicadores de negócio, como taxa de conversão, custo por transação e perdas com a indisponibilidade do sistema.

Mas lembre-se: APM é uma solução que deve oferecer visibilidade não apenas à TI, mas, principalmente, às áreas de negócio que consomem as aplicações monitoradas. Projetos nessa linha normalmente são justificados e pagos pelos valores economizados com a maior disponibilidade das aplicações.

Se o APM puder auxiliar a empresa a vender mais, como no caso de um e-commerce, o retorno de investimento (ROI) é ainda mais rápido. E cenas como as descritas no início deste texto ficam no passado, permitindo o alcance de resultados mais satisfatórios, com atendimento de qualidade aos clientes.

João Paulo Wolf — Diretor de soluções e serviços da 2S Inovações Tecnológicas.

Foton Caminhões implementa soluções SAP

Responsável pela importação e distribuição de caminhões da chinesa Beiq Foton Motor Co. Ltd., a Foton Caminhões implementa soluções SAP para aprimorar gestão e crescer no mercado com foco na construção da fábrica em Guaíba (RS) para produção local de caminhões

Ações de mobilidade trazem como principais desafios a segurança da informação e produtividade dos processos. Na Foton Caminhões, empresa nacional responsável pela importação e distribuição dos caminhões da chinesa Beiq Foton Motor Co. Ltd., os processos de expansão seriam beneficiados pela tecnologia e necessitavam da garantia de uma gestão efetiva e com custo reduzido para suportar os processos entre as concessionárias e o projeto de construção da fábrica em Guaíba (RS). A saída foi investir no software de gestão SAP Business One no ambiente cloud computing da Amazon Web Services (AWS) e no SAP Lumira. O projeto de consultoria, implementação e suporte foi conduzida pela Ramo Sistemas por meio do contrato de licenciamento no modelo OEM (Original Equipment Manufacturer), com a solução SAP Business One embarcada e conduzida pela Supertech Consulting.

A Supertech será responsável pela continuidade no suporte ao produto e nos demais desenvolvimento previstos, como a integração com sistema dos fornecedores, implementação do SAP Business One nas concessionárias próprias e no chão de fábrica da nova unidade no Rio Grande do Sul.

A proposta era substituir o sistema legado de faturamento, os setores contábil e fiscal; o modelo proposto foi o de software como serviço (SaaS) que permitiu à empresa fazer implementações rápidas, sem a necessidade de investimentos em licenças e infraestrutura de serviços. A Foton Caminhões recorreu ao SAP Business One na nuvem e SAP Lumira para conferir uma gestão centralizada em suas operações e atingir suas metas de crescimento.

A processo de implementação, que iniciou no final do ano de 2015, foi executado sem que a empresa parasse o funcionamento do sistema legado, fechamento contábil e inventário anual, a metodologia para transferência dos processos operacionais, cargas de dados, treinamentos e go-live foi concluído em três meses. “A principal dificuldade era movimentar todas essas informações em um período em que a empresa necessitava de controle das informações para fechamento do ano fiscal, e, conseguimos atender a demanda sem prejudicar o andamento dos processos internos da companhia”, comenta Décio Krakauer, presidente da Ramo Sistemas.

Hoje, são 25 funcionários diretos beneficiados com previsão de chegar a 35 até o final do ano. Com a adoção do SAP Business One, a Foton Caminhões economizou mensalmente cerca de R$ 15 mil pela integração dos programas já utilizados.

A oferta do SAP Business One no modelo de cloud computing da Amazon Web Services (AWS) ampliará as funcionalidades das soluções já instaladas e redefinirá os processos com ganho de escala para a expansão dos negócios da companhia. Com o SAP Lumira será possível o controle das informações compartilhadas entre as concessionárias e a nova unidade planejada pela empresa. Todo o processo de implementação garantirá a visão gerencial e estratégica de forma ágil e simples. “As soluções SAP simplificam os processos e oferecem uma gestão controlada e preditiva para novas diretrizes da companhia, conclui Krakauer.

Sobre a Ramo Sistemas

Fundada em 1982, a Ramo Sistemas é uma empresa com foco em soluções de software de gestão empresarial para pequenas e médias empresas, baseadas na tecnologia SAP Business One. A companhia recebeu o prêmio da SAP como a melhor performance em vendas do SAP Business One e com o maior número de novos clientes em 2015. Atualmente, a empresa possui uma base de mais de 460 clientes SAP no Brasil e cerca de 170 revendas autorizadas que atendem as diversas regiões e segmentos do mercado. A Ramo Sistemas é um parceiro Gold da SAP no Brasil para venda e implementação do SAP Business One.

Sobre a Supertech Consulting

Fundada em 2003, oferece ao mercado consultoria em gestão de negócios utilizando ferramentas líderes de mercado. É EBM do ecossistema Ramo, reconhecida como “Parceiro Revelação no ano de 2015”.

AOKI lança ERP para micro e pequenas empresas

AOKI lança nesse mês o E2ACCESS, o ERP para micro e pequenas empresas participantes do Simples Nacional e para instituições sem fins lucrativos. Com um custo acessível, o programa é flexível e possui uma interface agradável e simples. “O E2ACCESS busca atingir um público que hoje não é bem atendido pelos sistemas existentes. Queremos trazer um ERP para empresas que não podem abrir mão de um sistema de gestão fácil de utilizar, eficiente e flexível”, explica Osvaldo Aoki, CEO da AOKI.

O E2ACCESS possui um modelo comercial inovador, no qual todo processo de parametrização não terá custos para o cliente. A AOKI ainda o ajudará na preparação básica do sistema, através de um processo orientado. O produto será fornecido exclusivamente no modelo SaaS e na plataforma Cloud Computing (Nuvem), garantindo total segurança e acesso as informações da empresa de qualquer lugar pela internet. Um dos diferenciais, é a possibilidade de customização, que propiciará uma maior otimização dos processos operacionais da empresa.

Para tornar mais simples o processo de venda, ela será realizada através de uma loja virtual, com disponibilidade da compra da assinatura no modelo pré-pago para períodos trimestrais e anuais. O pagamento poderá ser parcelado no cartão ou a vista no boleto. O produto também será distribuído por agentes credenciados como pequenas consultorias e escritórios de contabilidade. Além disso, o E2ACCESS também está sendo chamado de “ERP DO BEM”, onde as Instituições sem fins lucrativos terão condições especiais.

O E2ACCESS incluirá os módulos de cadastro, distribuição, faturamento, estoques, compras, serviços, financeiro, produção, e CRM. O sistema não contemplará as obrigações do SPED, por não serem itens exigidos para empresas do Simples Nacional.

Sobre AOKI
Com mais de 25 anos de experiência em desenvolvimento e implantação de softwares corporativos em pequenas e médias empresas, a AOKI possui parcerias estratégicas com organizações de tecnologia como a Mastersaf (Thomson & Reuters), IBM (Soluções Cloud), e Microsoft (Small Business Specialist). Assim, garante um portfólio de soluções completas que atendem às necessidades dos mais variados segmentos de negócio.

aokisistemas.com.br

SaaS:o valor do tempo é o tempo para alcançar o valor

SaaS - soluções no menor tempo e custo de implantaçãoHá algum tempo a expressão “as soon as possible” (ASAP), antes utilizada para pedir agilidade na resolução de algumas questões, se tornou sinônimo de imediatismo. Este é um exemplo da pressão por tempo que os negócios exigem atualmente. Uma solução rápida que atenda ao menor tempo possível, contudo, não pressupõe ser incompleta ou pouco qualificada. Pelo contrário, aquele que exige imediatismo não abrirá mão de uma solução completa e com qualidade suficiente para resolver um problema ou necessidade, hoje e amanhã.

Então nos deparamos com outra questão: a certeza no mundo atual dos negócios de que a solução que apresentamos hoje já não será tão adequada amanhã e, provavelmente, será inadequada no curto prazo. Aliás, já parou para pensar o que é curto, médio e longo prazo no seu negócio? Os períodos estão cada vez menores!

Se você acha que implantar a última inovação é o melhor que você pode fazer, fique sabendo que o melhor é preparar a implantação da próxima inovação que você ainda nem sabe qual será. A dinâmica da inovação impõe que a solução implantada retorne o valor procurado o mais rápido possível para que possa ser substituída em prazos cada vez menores.

Neste cenário, ao invés de falarmos somente de ROI (retorno do Investimento), VPL (Valor Presente Líquido) ou Payback, devemos também considerar o indicador “Time to Value” (TtV). Nem sempre a solução que traz o melhor resultado financeiro e/ou de melhor qualidade é a ideal para o dinamismo do negócio, mas sim aquela que traz o valor mínimo esperado no menor prazo.

TtV é um termo que descreve o tempo entre a identificação de uma necessidade específica (um valor para o negócio) e o início da entrega deste valor. Entenda-se valor como o total de resultados financeiros, e outros mensuráveis, e também benefícios intangíveis. Quanto menor o TtV, melhor será o desempenho da solução para o negócio. Em outras palavras, mais cedo o negócio irá usufruir do valor entregue pela solução.

A evolução da Tecnologia da Informação e da rede de comunicação fizeram surgir soluções, como o SaaS (Software como Serviço), que permitem uma modalidade diferente da tradicional para aquisição de licenças de software. Os indicadores financeiros tradicionais, contudo, não conseguem responder a todas as questões para uma tomada de decisão segura entre o tradicional e o SaaS. É nesta hora que entram em cena novos fatores de avaliação, como o TtV.

Em termos de comparação, as tradicionais soluções “on-premise” (aquisições de licenças de software) – desde uma simples gestão de e-mails até projetos de missão crítica com oum ERP – precisam ser adaptadas ao seu negócio, gerando customizações que tornarão o projeto mais complexo, demorado e custoso. Já o SaaS tem como foco oferecer as melhores práticas do mercado e uma implantação rápida e menos custosa. Além do benefício financeiro, esta modalidade permite que a empresa obtenha o valor da solução em um prazo menor.

A chave do sucesso é obter valor e benefícios financeiros no menor prazo, para que a sua empresa possa se preparar para a próxima inovação e manter-se a frente da competição. Não precisa de bola de cristal para adivinhar o que vem pela frente.

Fabio Barnes é Diretor Executivo da Engine, companhia especializada no modelo SaaS (Software as a Service) que oferece soluções de gestão empresarial.

Novas tecnologias conseguem reduzir os custos de impressão

Com o aumento do valor do dólar e a atual taxa de inflação, as PMEs estão “apertando os cintos” e contendo todo tipo de gastos com materiais utilizados no dia a dia da empresa. Mesmo assim, ainda são poucos os gestores que buscam verificar o quanto gastam com impressão de documentos. Colocando na ponta do lápis, pode-se confirmar que esse custo não sofreu aumento com o passar dos anos. Porém, atualizando o equipamento é possível reduzir ainda mais o gasto médio por uso.

A constante evolução tecnológica no mercado de impressoras fez com que, nos últimos anos, surgissem novos equipamentos de alto rendimento e com melhores suprimentos, que fazem as atuais impressoras terem maior vida útil, além de produzir mais em menos tempo, permitindo reduzir os custos de impressão e o custo total de propriedade do parque de impressoras.

Se o valor dos equipamentos e suprimentos pode assustar em um primeiro momento, a questão do custo/benefício aparece com o menor consumo de energia e novas tecnologias como o Duplex, que imprime automaticamente a frente e o verso da folha, ajudando as empresas a reduzirem significativamente os custos com desperdício de papel.

As inovações nas tintas e cartuchos também acabam colaborando com o baixo custo de impressão por página. Antes, as impressoras demandavam uma troca mais frequente dos cartuchos e isso fazia com que as empresas buscassem nos remanufaturados uma forma de reduzir custo. Porém, se o valor era menor que o de um modelo original, o risco de causar algum problema no aparelho era muito grande. Já hoje, as fabricantes de impressoras produzem cartuchos e toners preparados para suportar um grande número de impressões.

A Canon, por exemplo, possui modelos de impressoras com um sistema próprio de tanque de tinta integrado. Ao invés de precisar trocar o cartucho, o usuário enche os compartimentos com tinta específica. O custo por página colorida de alta qualidade é, em média, de R$ 0,28 para uma impressora Epson que utiliza o sistema Ecotank.

Empresas que costumam imprimir um grande volume de documentos podem utilizar impressoras laser de alto rendimento. Um toner para impressora laser Brother pode fazer com que o gasto para impressão monocromática seja de R$ 0,03 por página.

O consumidor, porém, deve entender bem a sua necessidade de impressão diária para escolher um equipamento que melhor se adapte à situação, é o que alerta Cezar Loureiro, gerente da ImpressorAjato (www.impressorajato.com.br), e-commerce especializada no ramo de impressoras de grande porte. Uma PME pode, por exemplo, cair no erro de adquirir uma impressora mais barata, mas que necessite de uma troca mais constante de cartuchos para atender a demanda. Um equipamento mais caro pode chegar a imprimir 12.000 páginas com um único toner, acarretando uma diferença enorme de economia a médio e longo prazo.

Para ajudar os consumidores a escolherem o modelo correto para seu negócio, a ImpressorAjato presta um atendimento especializado, capaz de verificar a necessidade da PME e oferecer as melhores opções para que o custo com impressão seja o menor possível.

Press Works é uma Assessoria de Imprensa especializada em soluções de comunicação para Pequenas Empresas, Startups, Franquias e Profissionais Liberais.
www.pressworks.com.br

Como Imprimir Em Casa Suas Fotos Do Instagram

Imprima Em Casa as Suas Fotos
O Instagram é uma das redes sociais mais acessadas do momento. Nela é possível compartilhar fotos e vídeos, o que faz do aplicativo uma forma de veicular a sua imagem pessoal ou da sua marca para pessoas do mundo inteiro. Além de seguir quem você conhece, como amigos e familiares, é possível acompanhar postagens de celebridades nacionais e internacionais, que também utilizam este incrível app. Em um mundo onde todos querem sair “bem na foto”, diversos efeitos podem ser aplicados para que aprimorar as suas fotografias, ideal para depois registrar postar tudo na internet ou imprimir e montar um álbum super bacana. Filtros como Amaro, Mayfair, Rise, Hudson, Valencia, X-Pro II, Lo-fi, Sutro, Inkwell, 1977 e Kelvin, por exemplo, permitem que seus registros, ganhem um visual muito mais bonito.

Para transformar suas fotos do Instagram em obras de arte nos papéis, basta ter uma impressora adequada para impressões coloridas e folhas específicas, como os papéis fotográficos Glossy, Microporoso, Matte, etc. Para imprimir fotografias, deixe de lado o papel sulfite. Este tipo é indicado somente para impressões do dia a dia. A escolha de materiais diferenciados e específicos para impressão de fotos tornarão suas lembranças muito mais marcantes.

Tipo de acabamento

Para imagens em preto e branco, como as que utilizam os filtros Inkwell e Willow, o ideal é utilizar o papel fosco, pois ele possui uma quantidade maior de poros e garante a aparência de foto antiga. Caso a sua fotografia possua muitas cores e brilhos, com filtros como o Lo-Fi e o Amaro, escolha um papel brilhante, que irá destacar cada detalhe, valorizando a sua beleza.

Cuidados na impressão

Faça a impressão das fotos de forma pausada, para ter tempo de se organizar e manter todos os trabalhos em uma superfície plana, secando por pelos menos uma hora. Depois que imprimir o material, evite deixá-lo exposto à luz direta, que pode prejudicar os resultados de forma devastadora. Por isso, escolha uma sala sem entrada de luz direta e tenha paciência para aguardar o tempo adequado para a secagem da tinta, já que é preciso esperar que todas as gotinhas sejam absorvidas e secas, formando o visual que você deseja. Esses cuidados garantem que você não terá tenha surpresas desagradáveis, com borrões e manchas. Depois, é só montar o seu material da forma como preferir.

Tipos de papel

Três opções bem bacanas para imprimir as fotos do instagram são o Papel Glossy e o papel Transfer. O papel Glossy tem duas versões de acabamento que permitem efeitos bem diferentes: com e sem brilho. Se a intenção é um resultado que se assemelha as revelações fotográficas já conhecidas no mercado, com aquele brilho natural utilize o papel Glossy com brilho. Mas se a sua vontade é uma cobertura mais fosca, parecida com uma impressão em papel couchê, escolha o papel Glossy fosco. Ele é ideal para quem não gosta do acabamento em verniz e prefere algo mais seco e neutro.

Se você deseja inovar, pode usar o Papel Transfer Sublimático Resinado, que proporciona garante cores destacadas, com transferência perfeita da tinta e é recomendado para tecidos 100% sintéticos e materiais resinados como canecas e azulejos. Que tal transformar suas fotos do Instagram em peças exclusivas para presentear ou ganhar uma renda extra no final do mês?

Ter as imagens salvas dentro do computador ou celular, editar, enviar para quem quiser e postar nas redes socias é muito prático. Porém, ter suas fotos registradas em uma folha de papel pode trazer um sentimento único, diferente de ver os seus momentos através de uma tela de computador. Guarde suas memórias e imprima agora mesmo as suas melhores fotos!

Como controlar sua empresa sem criar burocracias

Como controlar a empresa sem criar burocraciaQuando mais e mais pessoas começam a trabalhar em uma organização que está crescendo, é normal que as maneiras de executar tarefas do dia-a-dia de cada um sejam diferentes, e que isso possa gerar dificuldades operacionais e inconsistência nas entregas para o cliente, causando insatisfação. Pensando nisso, definir e implementar processos claros passa a ser uma necessidade para negócios em expansão.
Qual é o procedimento para a realização de um orçamento? Onde devem ser registrados os pedidos? Como manter atualizada a lista de contato dos clientes? Com todas essas perguntas, é importante que começar se preocupando em registrá-las na forma de manuais e fluxogramas. Lembrando que o registro das informações deve ser feito em um sistema que permita a busca por todos da empresa que precisarem ter este acesso.
O que também observamos, trabalhando ao lado de empreendedores, é que se você sonha grande, vai ser inevitável se deparar com a implantação de um ERP, Entreprise Resource Planning, nome em inglês que define os sistemas que são usados para planejar e controlar o uso de recursos e os processos dentro das empresas.
Pode não ser a atividade mais divertida que irá exercer, mas se quer que a sua empresa cresça aceleradamente, vai precisar implantar processos robustos. No início, a planilha Excel até pode servir para controlar o fluxo de caixa e o orçamento, mas cedo ou tarde será necessário acabar com as múltiplas versões da planilha e adotar um sistema mais completo.
O ERP é uma ferramenta que, quando bem utilizada, permite uma visão integrada do que está acontecendo na empresa. Mas tome cuidado – adotar um sistema mais complexo do que a atual necessidade da empresa pode gerar trabalho desnecessário, e comprometer a agilidade do negócio. Por isso, procure entender exatamente quais são os processos que precisam ser executados, e busque uma ferramenta capaz de sistematizá-los. Afinal, não adianta ter um console de Boeing para pilotar uma bicicleta.
Felizmente, há toda uma gama de ferramentas para os mais diferentes tamanhos e setores de empresa. Desde sistemas simples, na nuvem, para controle financeiro de pequenas empresas, como o ContaAzul ou o Tiny, até softwares mais completos, como os da TOTVS, SAP, Oracle ou ainda o Open ERP, que é open source.
E como fazer tudo isso sem que o dia a dia dos funcionários se pareça com o cotidiano de uma repartição pública, ocupado por formulários e telas de sistema cada vez mais complexos?
Da mesma forma que o líder de uma empresa deve ter um bom equilíbrio entre os espíritos empreendedor e gestor, é importante que a empresa encontre a dose certa de equilíbrio entre processos rígidos e autonomia para as pessoas.
A cada etapa do negócio as pessoas sabem exatamente “o que” e “como” elas tem que fazer? Qual é a maneira mais simples de garantir que esse conhecimento chegue a todos? Desenhar as etapas na parede do escritório? Fazer treinamentos? Criar uma área de TI?
Procure fazer essas reflexões, com foco em implementar apenas o nível necessário de controle, sem exageros. Uma vez escolhido o método, busque esgotar as possibilidades com ele antes de partir para o próximo. E antes de culpar o insucesso da ferramenta procure ainda garantir que as pessoas se adaptem à nova rotina.
Felipe Gasko é responsável por serviços aos empreendedores da Endeavor