Produtividade: uma questão de eficiência

Você ouve falar de produtividade a toda hora. Sabe que melhorar esse quesito significa ser mais eficiente. Em períodos de conjuntura econômica desfavorável, como a que enfrentamos atualmente no Brasil, isso cai como uma luva no seu empreendimento. Fazer mais sem aumentar gastos é o ideal.

Negócios de qualquer porte e setor podem elevar a produtividade. Basta evitar retrabalho e perdas de matéria-prima, aprimorar processos e fazer bom uso do tempo e dos recursos disponíveis.

Imagine que você é dono de uma lanchonete cujo pico do movimento é no horário do almoço, quando as pessoas frequentemente têm pressa para comer. Como seu número de mesas é fixo, você vai ganhar mais se houver um giro maior de consumidores (outros fatores influem, mas vamos nos ater apenas a este).

Obviamente, ninguém vai acionar um cronômetro e expulsar o cliente ao soar o alarme. Mas se houver rapidez para atender aos pedidos e agilidade na cobrança teremos um avanço na produtividade. Para isso, é necessário ter uma boa organização na cozinha e no salão. Empresário que demora para entregar a conta e o troco ou obriga o consumidor a perder tempo na fila do caixa, atira no próprio pé.

Melhorar a produtividade requer estabelecer metas internas – no nosso exemplo, trata-se de definir um tempo máximo para o pedido, a conta e o troco chegarem à mesa ou eliminar filas para pagar. Significa também qualificar a equipe para agir com presteza e com o mínimo de erros. Um prato servido que volta porque precisa ser trocado é um desastre.

Em qualquer atividade, material com problemas, falta de algum item e “gambiarras” minam o negócio. Reduza o tempo de preparação das atividades e a distância entre equipamentos e recursos. Quando possível, tarefas cansativas têm de ser automatizadas.

Controle e analise os resultados. Veja quantas unidades podem ser produzidas por minuto, o custo de cada uma e estude como aumentar o volume sem perder qualidade. Mesmo sendo a mão de obra seu maior gasto, não caia na vala comum de reduzir a equipe e sobrecarregar os que ficam. Essa economia só vai prejudicar o desempenho dos funcionários.

Veja onde estão os pontos fracos, busque soluções e aperfeiçoe tudo o que puder. O resultado infalivelmente vai aparecer.

Bruno Caetano, diretor superintendente do Sebrae-SP.
Twitter – @bcaetano