Ingresso na faculdade: como construir uma carreira de sucesso?

Como construir uma carreira de sucessoO tão esperado ingresso à faculdade pode ser um período cheio de mudanças. Os jovens ganham um novo estilo de vida, novos desafios e precisam de maior dedicação aos estudos. Passado o período de adaptação, é hora de enxergar as vantagens e oportunidades que a vida de universitário pode proporcionar até que o estudante termine seu curso. Conhecer o mercado de trabalho, ainda durante a faculdade é uma delas.

“Uma boa alternativa é conversar com os professores sobre o exercício da profissão e a rotina deste no dia a dia de trabalho. O estudante precisa, desde o momento que ingressa em um curso superior, conhecer um pouco mais do que o espera assim que se formar”, explica Martha Zouain, psicóloga e diretora da Pisco Store.

Ainda segundo a psicóloga, o universitário pode, desde o início da graduação, planejar e construir uma carreira de sucesso. Pesquisar sobre campos de atuação, escolher um trabalho de monitoria, estágios, estudar outro idioma e até fazer um intercâmbio cultural são algumas ações que rendem bons frutos para o futuro profissional.

“A principal dica é dedicar-se e envolver-se com o curso desde o primeiro ano, mesmo que algumas matérias pareçam desinteressantes e não façam sentido, naquele momento, com o curso escolhido”, afirma Martha.

Além disso, o sucesso profissional tem tudo a ver com ter afinidade com o curso escolhido. Estar bem no ambiente de trabalho é um fator de motivação para o funcionário, que gera bons resultados para ele e para seu gestor. “Há anos trabalhando com pessoas, uma das coisas que posso afirmar com toda convicção é que sucesso tem tudo a ver com o fazer o que gosta. O importante é ser feliz! Corra atrás da sua felicidade, não importa o que vai lhe custar”, finaliza Martha Zouain.

Sobre Martha Zouain
Martha Zouain é psicóloga e diretora da Psico Store. Estudou em São Paulo e há quinze anos dirige a empresa, que é uma das referências no Estado na busca pelos melhores profissionais e no aperfeiçoamento do trabalho na área de Recursos Humanos. A empresa também oferece cursos e seminários que ajudam jovens a encontrar colocação no mercado de trabalho.

90% das fotos pessoais são registradas com smartphones

As câmeras fotográficas digitais cada vez mais modernas dos smartphones não são apenas um diferencial para alavancar as vendas. Também transformaram os celulares no equipamento mais utilizados para fotografia no Brasil para fotos pessoais. É o que revela recente pesquisa da loja virtual Phooto, líder brasileira no segmento de produtos customizados com fotos.
Segundo o levantamento, fotos oriundas de celular representam mais de 90% de todo o volume de uploads de imagens que os clientes fazem no sistema de arquivamento oferecido pela Phooto. Trata-se de uma espécie de “nuvem”, para que o consumidor suba suas fotos pessoais e escolha em quais produtos da empresa quer utilizar.
A mudança no perfil de consumo e de uso dos aparelhos celulares também é refletida nas vendas de câmeras digitais no Brasil. De acordo com recente relatório da consultoria global GfK, que mediu o mercado de bens duráveis durante o terceiro trimestre de 2014, três importantes categorias de produtos apresentaram retração em relação ao mesmo período do ano anterior: o segmento de foto, de TI e a linha marrom, esta impulsionada pela queda no faturamento de TVs de tela fina.
O estudo da GfK aponta que o mercado de câmeras digitais retraiu, em volume, 50% de um período para outro, mas apresenta uma menor retração em valores, o que indica um aumento nas vendas de câmeras de maior valor agregado, usadas normalmente por profissionais.
“O cidadão comum tem no celular o seu equipamento fotográfico, onde faz o registro de seus melhores momentos na vida em suas fotos pessoais”, afirma Fabio Zausner, sócio executivo da Phooto. “Conseguimos entregar Revelações, Fotolivros e Fotopresentes com alta qualidade de imagens, mesmo feitas via celular”, complementa.
Sobre a Phooto. A Phooto é o e-commerce líder no segmento de produtos customizados com fotos para o consumidor final no Brasil. Fundada há três anos, a companhia oferece produtos customizados e serviços inovadores como Foto Livros, Revelações, Fotopresentes, Calendários, Foto Quadros e diversos outros itens de decoração.

O que é vírus, cavalo de tróia, spyware, malware…

o que é vírus, worm, trojan, malware...Afinal, o que é vírus de computador? Constantemente ouvimos falar em malware, vírus, cavalo de tróia e outras ameaças. Mas qual a diferença entre eles? A diferença é meio confusa mesmo. Por isso foi criado o termo malware (de malicious software) para designar de forma genérica as ameaças que podem atacar o nosso computador. Cabe ressaltar que vírus é um tipo de malware, mas muitas vezes o termo vírus é usado com o mesmo sentido de malware. Assim, a rigor, os programas antivírus deveriam ser chamados de antimalware. Mas não faria sentido mudar um nome já consagrado pelo uso.
Nesse artigo vamos classificar os malwares pela forma de propagação, pela atividade realizada e por outras características especiais.

Pela forma de propagação

  • Vírus – O vírus se anexa a um programa hospedeiro já existente. Ele altera o início do programa para executar o código malicioso que foi inserido no programa original. O código malicioso infecta outros arquivos, inclusive pelo compartilhamento de rede. Pode criar novos executáveis e a partir da alteração do registro do Windows forçar a sua execução na inicialização da máquina.
  • Worm – O worm não precisa de programa hospedeiro. Ele se propaga pela rede e infecta o computador explorando uma falha de segurança (exploit) do Sistema Operacional ou de algum aplicativo.
  • Cavalo de Tróia – O cavalo de tróia exige uma ação da vítima para se instalar, ou executando um anexo de e-mail ou fazendo o download do programa. Técnicas de engenharia social, como phishing, são utilizadas para levar o usuário a executá-lo acreditando ser um programa não malicioso com alguma funcionalidade útil.

Pela atividade realizada

  • Backdoor – Permite que hacker comande o computador remotamente e execute uma determinada atividade, tal como baixar um novo malware, enviar dados do usuário, enviar spams e fazer ataques de negação de serviço (Denial of Service).
  • Adware – Exibem anúncios indesejados, inclusive levando o navegador a abrir sites com os anúncios.
  • Spyware – Recolhe informações do computador, tais como sites visitados, e os envia ao hacker. As variantes keylogger e screenlogger são usadas para roubar senhas. O keylogger captura as senhas a partir do que é teclado pelo usuário. E o screenlogger captura a imagem ao redor do mouse quando esse é clicado e assim pode roubar senhas dos teclados virtuais.
  • Downloaders – São programas maliciosos que instalam outros malwares.
  • Ransomware – Restringem o acesso ao computador ou a arquivos até que a vítima pague um “resgate”.

Por Características Especiais

  • Rootkit – São malwares que escondem a sua presença tornando impossível a sua detecção pelos mecanismos convencionais. Costumam alterar chamadas (API) do sistema operacional fazendo, por exemplo, que arquivos e processos maliciosos não sejam mostrados. Podem ser instalados no kernel (módulos carregáveis, device drivers) ou nas bibliotecas do Sistema Operacional (DLLs).
Para concluir é interessante notar que um malware pode ter várias das características acima.
Mariano Sumrell é diretor de Marketing da AVG Brasil. A AVG é uma das líderes globais em solução de segurança, protegendo mais de 188 milhões de usuários em 167 países das crescentes ameaças da web, como vírus, spam, golpes eletrônicos e de hackers na Internet.

Profissões valorizadas em 2015

Para quem está em um período de definição profissional ou de desejo de mudança uma questão que fica é, quais as áreas que oferecem melhores oportunidades no mercado de trabalho para buscar desafios diferentes. A dúvida é comum e a resposta é complexa, tendo que avaliar em um cenário de longo prazo, contudo, algumas tendências do mercado de trabalho devem ser levadas em conta.

Veja algumas profissões valorizadas em 2015:

Gerência Financeira – A necessidade das empresas reduzirem seus custos e aumentarem a rentabilidade é praticamente obrigatório, o que faz com que seja crescente a procura de profissionais com capacidade de gerenciamento financeiro, para um posicionamento estratégico.

Controladoria – Em período de crise ter dados e saber utilizar é fundamental assim se valoriza o papel do controller que é quem garante a qualidade das informações e sua adequada utilização, alinhando a área técnica e a estratégia do negócio.

Advocacia Empresarial – Ramos específicos da advocacia como a trabalhista e tributária devem se valorizar, sendo que há a necessidade de uma melhor estratégia perante impostos e evitar problemas relacionados com funcionários, principalmente em caso de demissões.

Empreendedorismo – Períodos de dificuldades são marcados pelo aumento de pessoas que buscam buscar novos negócios, por diversas questões, como demissões e aumento da pressão, assim, áreas que auxiliam esses novos empreendedores como coach ou consultorias devem crescer.

Marketing Digital – Uma área ainda pouco explorada e que cada vez mais demonstra ter fundamental importância para as empresas, seja em relação a sites e otimização de Google como à redes sociais. Os consumidores utilizam mais que nunca a rede para adquirir produtos e serviços e esses profissionais são essenciais.

Contabilidade e Consultorias relacionadas – A complexidade tributária e trabalhista do país, em conjunto com a falta de mão de obra qualificada tem como reflexo o crescimento da procura por contadores e contabilistas, garantindo cada vez mais vagas e bons salários, o país necessita de profissionais responsáveis por administrar impostos e taxas.

Recursos Humanos – A escassez de profissionais qualificados em diversas áreas de atuação faz com que o profissional de recursos humanos que pense de forma mais estratégica se torne primordial, buscando alternativas no mercado de trabalho e opções de qualificações para os contratados.

Tecnologia da Informação – Já esteve mais em alta, chegando a serem em alguns casos supervalorizados, mesmo assim os profissionais de TI estarão valorizados devido aos investimentos constantes das empresas com o objetivo de melhorar a produtividade dos funcionários.

Ricardo M. Barbosa é diretor executivo da Innovia Training & Consulting, professor de programas de pós-graduação em conceituadas instituições de ensino, Consultor em Gestão de Projetos há 15 anos e já atuou como executivo em grandes empresas como Ernst & Young Consulting; Wurth do Brasil; Unibanco; Daimler Chrysler.

Produtividade: uma questão de eficiência

Você ouve falar de produtividade a toda hora. Sabe que melhorar esse quesito significa ser mais eficiente. Em períodos de conjuntura econômica desfavorável, como a que enfrentamos atualmente no Brasil, isso cai como uma luva no seu empreendimento. Fazer mais sem aumentar gastos é o ideal.

Negócios de qualquer porte e setor podem elevar a produtividade. Basta evitar retrabalho e perdas de matéria-prima, aprimorar processos e fazer bom uso do tempo e dos recursos disponíveis.

Imagine que você é dono de uma lanchonete cujo pico do movimento é no horário do almoço, quando as pessoas frequentemente têm pressa para comer. Como seu número de mesas é fixo, você vai ganhar mais se houver um giro maior de consumidores (outros fatores influem, mas vamos nos ater apenas a este).

Obviamente, ninguém vai acionar um cronômetro e expulsar o cliente ao soar o alarme. Mas se houver rapidez para atender aos pedidos e agilidade na cobrança teremos um avanço na produtividade. Para isso, é necessário ter uma boa organização na cozinha e no salão. Empresário que demora para entregar a conta e o troco ou obriga o consumidor a perder tempo na fila do caixa, atira no próprio pé.

Melhorar a produtividade requer estabelecer metas internas – no nosso exemplo, trata-se de definir um tempo máximo para o pedido, a conta e o troco chegarem à mesa ou eliminar filas para pagar. Significa também qualificar a equipe para agir com presteza e com o mínimo de erros. Um prato servido que volta porque precisa ser trocado é um desastre.

Em qualquer atividade, material com problemas, falta de algum item e “gambiarras” minam o negócio. Reduza o tempo de preparação das atividades e a distância entre equipamentos e recursos. Quando possível, tarefas cansativas têm de ser automatizadas.

Controle e analise os resultados. Veja quantas unidades podem ser produzidas por minuto, o custo de cada uma e estude como aumentar o volume sem perder qualidade. Mesmo sendo a mão de obra seu maior gasto, não caia na vala comum de reduzir a equipe e sobrecarregar os que ficam. Essa economia só vai prejudicar o desempenho dos funcionários.

Veja onde estão os pontos fracos, busque soluções e aperfeiçoe tudo o que puder. O resultado infalivelmente vai aparecer.

Bruno Caetano, diretor superintendente do Sebrae-SP.
Twitter – @bcaetano